Bem vindo à Clínica On: Sua Evolução Corporal!
Morumbi/São Paulo - Assis
+55 11 4301 4004

 

Há pouco mais de uma semana, a seleção brasileira levou um balde de água fria em Portugal, onde faz a preparação para a Copa do Mundo de futebol feminino. Em um treinamento, Marta apontou a região posterior da coxa e saiu com dores. O exame clínico – e depois a ressonância – constataram a lesão do músculo bíceps femoral da coxa esquerda, e a camisa 10 precisou deixar os gramados para fazer um trabalho intensivo na fisioterapia.]

Em conversa com a reportagem das dibradoras, o médico da seleção feminina, Nemi Sabeh Jr., explicou que a lesão de Marta foi de grau “moderado” e explicou o tratamento que tem sido feito com ela para tentar uma recuperação o mais rapidamente possível.

“A lesão foi moderada, seria um grau entre 1 e 2. Nós iniciamos o tratamento fisioterápico imediato, ela faz hoje quatro períodos de fisioterapia por dia. Como é o músculo da coxa, a gente não consegue de início fazer fortalecimento de membro inferior, mas a gente consegue fazer de membro superior. A gente faz um trabalho muscular, conseguimos mantê-la ativa o dia todo, isso está incluído dentro da preparação física e da fisioterapia. Mas basicamente ela não sai do departamento médico lá no hotel”, afirmou Sabeh Jr.

No hotel de Portimão, em Portugal onde a seleção brasileira está hospedada, o quarto andar é todo reservado para a delegação, e há uma área específica montada como um “departamento médico”. Ali, as atletas fazem os tratamentos de fisioterapia, massagem e o que mais precisem para manter o preparo.

 

 

Segundo o médico, ainda não dá para responder se Marta estará ou não pronta para estrear junto com a seleção brasileira no próximo domingo, em Grenoble, contra a Jamaica. Ela fará um exame no fim do dia nesta segunda-feira e, só assim, será possível avaliar a questão. Por enquanto, pela avaliação clínica, a ideia era que ela voltasse a treinar no campo quando as jogadoras já estivessem na França, na quinta-feira. Mas Sabeh Jr reforça:

“A Marta é a Marta. A gente pode esperar dela coisas que a medicina não escreve. Ser exato agora com a Marta eu diria até que é um pouco imprudente da minha parte. Mas clinicamente ela está ótima. Eu espero que ela possa nos ajudar da melhor forma possível”, disse.

Marta não tem ido a campo com a seleção, mas tem aparecido nos treinos – seja no início ou no fim para aproveitar o momento com as jogadoras. Neste domingo, fez seu trabalho de fisioterapia e depois apareceu nos gramados ao fim do treinamento brincando com o cachorro “mascote” do time – o Nuno.

No sábado, aproveitou o intervalo entre uma sessão de tratamento e outra para tocar violão com Fabio Guerreiro, o preparador físico da seleção. Ela diz que está evoluindo bem, e a equipe médica que tem cuidado dela reafirma isso: a recuperação está acontecendo conforme o planejado.

 

 

“O que aconteceu foi uma fatalidade, a gente não pode esperar isso. Mas menos mal foi o tempo que aconteceu, porque foi logo no início. Está evoluindo muito bem, vamos fazer um ultrassom que detecta se já existe a comunicação muscular. Aí poderemos observar se a gente consegue soltá-la mais cedo, se a gente segura. Depois desse exame, vai ter bastante coisa pra falar”, resumiu o médico.

 

 

 

Compartilhe
WhatsApp chat